4 de outubro de 2012

CENÁCULO FLUMINENSE DE HITÓRIA E LETRAS SESSÃO DE SETEMBRO 2012

 
 
 
Aconteceu dia 28 de setembro, às 16 horas, na Sala Reggio de Cultura, Rua Lemos Cunha, 442,Icaraí, Niterói - RJ. Com o Tema: Variedades Literárias, com apresentação de crônicas, entrevistas, resenhas, tendo como principal articulador o cenaculista Carlos Rosa, mais uma edição dos eventos mensais do CENÁCULO FLUMINENSE DE HISTÓRIA E LETRAS. O evento foi divido em dois momentos.

PRIMEIRO - O historiador Emílio Maciel Eigenheer, falou do seu recente livro sobre o poeta da agonia Max de Vasconcelos, e sobre a coleta de lixo do Bairro de São Francisco, Niterói - RJ.

SEGUNDO - O Acadêmico Carlos Rosa, falou de sua entrevista com a escritora Marina Collassanti.

O Focus esteve presente e trouxe as imagens. Confira.
 
 

Emilio Eigenheer - Historiador
 Márcia Pessanha - Vice-presidente do CFHL
Julio Vanni - Presidente do CFHL
Franci Darigo - Pres. IHGN
e Neide Barros - Pres. CCMS
(composição da mesa)
 
Emílio Eigenheer
Fala do trabalho de Coleta Seletiva de Lixo do Bairro
de São Francisco-Niterói - RJ
Dentre os materiais que recolhe para reutilização
e reciclagem, seleciona também aqueles de valor
cultural (livros, revistas, cartões postais etc.)
 
Dentre os documentos encontrados
encontram-se o acervo rico
sobre Lourenço de Araújo- O Poeta Boêmio.
 
Foram desses documentos, que vieram o ensejado trabalho
sobre Max de Vasconcelos.
 
 
Capa do livro de Max de Vasconcelos
Neste livro encontram-se relíquias do Poeta da Agonia.
 
 
 plateia presente
 
 
 
Márcia Pessanha, Julio Vanni,
Franci Darigo e Neide Barros
 

(Em primeiro plano)
Gracinda Rosa, Cecília, Dionilce Faria
 
Carlos Rosa - Acadêmico
fala da entrevista com Marina Colasanti
 

Carlos Rosa - Acadêmico
Assista um fragmento da entrevista com Marina Colasanti,
 breve o DVD na íntegra.
 

Marina Colasanti - escritora
 
Marina Colasanti - Nasceu Asmara em 26 de setembro de 1937. É uma escritora e jornalista ítalo-brasileira nascida na então colônia italiana da Eritreia. Ainda criança sua família voltou para a Itália de onde emigram para o Brasil com a eclosão da Segunda Guerra Mundial.
No Brasil estudou Belas-Artes e trabalhou como jornalista, tendo ainda traduzido importantes textos da literatura italiana. Como escritora, publicou 33 livros, entre contos, poesia, prosa, literatura infantil e infanto-juvenil.
Uma ideia toda azul é um livro seu de contos que ganhou o prêmio O Melhor para o Jovem, da Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil.
Em 2010, recebeu o Prêmio Jabuti pelo livro Passageira em trânsito.
 
 
 

Carlos Rosa e Emílio Eigenheer
 
 
Profa. Leonila Murinelly Lima
convida para a palestra
DESENREDO
(METODOLOGIA BASEADA NA PROGRAMAÇÃO
NEUROLINGUÍSTICA - PNL)
 
 plateia presente
 
 
 
 
abaixo o folder
ESPAÇO DE (CON)VIVÊNCIA COM A PALAVRA
E DE EXPERIÊNCIA COM A ESCRITA
 
 
CLICAR NA IMAGEM PARA AMPLIAR
 
 
 
 


3 comentários:

  1. CARLOS ROSA MOREIRA - ESCRITOR4 de outubro de 2012 16:08

    Obrigado, Alberto, pela postagem. Seu excelente blog e o seu não menos excelente trabalho de registrar os acontecimentos culturais na cidade já se tornaram marca de grande valor. Fico feliz de ser seu colega no Cenáculo. Um grande abraço amigo.

    Carlos Rosa Moreira.

    ResponderExcluir
  2. Obrigado caríssimo amigo e escritor Carlos Rosa, É sempre um prazer divulgar a cultura de nossa cidade, E mais,disseminar a extensidade dos cantos das personalidades fluminenses que marcam com seus talentos e suas pluraridades, em cores vivas e belezas visíveis aos nossos olhos. Faço tudo isso porque acredito em cada um de vocês, em cada grãos semeados e partilhados conosco.

    abraços


    ALBERTO ARAÚJO

    ResponderExcluir
  3. Caro amigo Carlos Rosa:
    Uma entrevista se torna interessante quando o entrevistador faz as perguntas certas, inteligentes. Assim é na sala de aula. Há alunos (em geral são os mais brilhantes os que perguntam) que lavam a alma da gente, quando formulam suas perguntas. Nesses momentos, é que aprendemos de verdade. Assim é você, com suas entrevistas (é a segunda que eu tomei conhecimento - a outra foi do Afonso Romano de Sant'Anna). Lembrei-me também do codificador do Espiritismo Allan Kardec que formulou aos "espíritos", através de mediuns, mil perguntas EM O LIVRO DOS ESPÍRITOS. Quando o li pela primeira vez, percebi o quanto aquele "indagador" tinha conhecimento para fazer as tais perguntas. Não o estou comparando com ALLAN KARDEC, mas apenas deixando aqui registrado o quanto é importante fazer boas perguntas para se obter boas respostas. Gostaria muito de ler esse JORNAL LITERATO que você cita na entrevista. Onde é mais fácil consegui-lo? Anotei também sua indicação da Marina Colasanti em "MINHA GUERRA ALHEIA". Obrigada, Carlos Rosa, por estar sempre ACRESCENTANDO ao nosso mundo coisas boas. Abraços da sua leitora e fã .... Angela Ellias.

    ResponderExcluir